O novo dentro do novo

Todo mundo tem falado sobre o novo e que nada será como antes




Mas qual será esse novo? Certamente nada mais será como antes porque as relações sociais estão adaptando às novas formas de convivência. Não sabemos quando o vírus deixará de ser uma ameaça e, até lá, abraços entre as pessoas, os beijinhos nos rostos e um simples aperto de mão sem o posterior álcool a 70% terão que ser adiados.

 Isso também atingiu as formas de se relacionar com o mercado, por exemplo comércio e serviço, o que demandará cada vez mais em criatividade para se reinventar ou sobreviver após a retomada do isolamento social.

 O mundo ficou complexo, não somente por causa dos últimos acontecimentos, mas a estabilidade de ontem, como justificativa para experiência ou maturidade, não faz mais parte do processo seletivo das maiores empresas porque há uma nova onda disruptiva atuando no mercado e isso não é somente por causa da crise pandêmica e também econômica e quiçá política. 

Cada vez mais, quem não estiver em busca de desenvolver a criatividade estará propenso a ser substituído por uma máquina a quem chamamos de robô, foi assim na década de 1970 nos EUA nas indústrias automobilísticas, posteriormente, nas décadas 1990 e 2000 com a chegada da era digital no telemarketing para atendimento remoto, Bancos, no drive-thru (cada vez mais automatizados), cobradores de transporte público, etc.

 A grande questão a pensar é: como me tornar insubstituível? A única resposta é: não agir de forma automática. Isto quer dizer que é preciso desenvolver novas habilidades para o novo que chegou, está aberto às mudanças, querer mudar e, como já disse, praticar o processo criatividade.


Para isso, seguem cinco passos para se tornar insubstituível por um robô:

1) Ser humano (não agir de forma automática, ter satisfação no que faz);
2) Inteligência emocional (e isso envolve também a empatia);
3) Inteligência criativa (fugir do padrão);
4) Inteligência inter-tecnológica (você é controlado pela tecnologia?);
5) Voltar a estudar (aprender sozinho ou com ajuda).

Eu te desafio a ler sobre cada um dos temas, quer dicas de leitura? Seguem abaixo para cada

tema, respectivamente:
1) Há metafísica bastante em não pensar em nada, de Alberto Caerio (disponível gratuitamente pelo Kindle);
2) A ética é mais importante que a religião, de Dalai Lama (disponível gratuitamente pelo Kindle);
3) Dúvida cruel, de Iberê Thenório;
4) Ideias para adiar o fim do mundo, Ailton Krenak;
5) Na batalha contra o coronavírus, faltam líderes à humanidade, de Yuval Noah Harari (disponível
gratuitamente pelo Kindle).


Ana Luiza Felix
Mestra em Direito
Professora substituta IFPB

Produtora de conteúdo @boaescrita

Nenhum comentário

Faça seu comentário

Tecnologia do Blogger.