Empresários realizam ato e pedem a reabertura do comércio de Campina Grande; Sindicato repudia

Empresários, comerciantes, e funcionários do comércio de Campina Grande participaram de um ato, nesta segunda-feira (27), pedindo a reabertura da economia da cidade. As lojas permanecerão fechadas até ao menos 3 de maio, quando acaba o prazo do último decreto estadual com medidas de isolamento para combater a disseminação do novo Coronavírus.


Os manifestantes se concentraram na Rua Maciel Pinheiro, no centro da Rainha da Borborema. Eles defenderam que a abertura ocorra gradualmente.
Campina Grande conta, segundo a última atualização da Secretaria Estadual de Saúde, com 39 casos de Covid-19. Atrás de João Pessoa, com  349 casos, e Santa Rita, com 40 casos, é a 3ª cidade do Estado com o maior número de infectados.
O Sindicato dos Comerciários de Campina Grande e Região divulgou nota em que repudia a ação dos comerciantes e nega participação no ato de hoje.
“Repudiamos veementemente qualquer tentativa de coação aos trabalhadores e trabalhadoras, assim como qualquer pedido de retorno às atividades que desrespeitam as orientações dos organismos de Saúde e as medidas de prevenção e segurança no combate ao Covid-19 e que ponham em risco a saúde dos comerciários e de toda população campinense”, diz.
Leia na íntegra:
‘NOTA DO SINDICATO DOS COMERCIÁRIOS DE CAMPINA GRANDE
O Sindicato dos Comerciários de Campina Grande e Região, vem a público informar, que diferentemente do que foi divulgado pelos empresários organizadores do ato que pediu a reabertura do comércio ocorrida na manhã desta segunda-feira (27), e reproduzido por alguns veículos de comunicação da cidade, a categoria não comunga com o pedido de retorno das atividades nesse momento, assim como o Sindicato, entidade oficial representativa da categoria, que em nenhum momento foi consultado pelos organizadores da atividade, sendo assim, é falsa a informação que este movimento foi organizado e realizado em comum acordo entre as partes.
Além disso, vem a público denunciar, que muitos funcionários participantes do referido ato, através de denúncias anônimas, foram coagidos a participar do movimento por parte de alguns empresários chefes de algumas empresas, com a ameaça da possibilidade de afastamento dos seus postos de trabalho. Como também denuncia a postura de alguns empresários, que dada à presença dos representantes da categoria, de maneira agressiva tentaram inviabilizar a fiscalização e o trabalho destes.
Sendo assim, repudiamos veementemente qualquer tentativa de coação aos trabalhadores e trabalhadoras, assim como qualquer pedido de retorno às atividades que desrespeitam as orientações dos organismos de Saúde e as medidas de prevenção e segurança no combate ao Covid-19 e que ponham em risco a saúde dos comerciários e de toda população campinense.
O Sindicato reitera a defesa do posicionamento que vem sendo tomado, desde o início dessa crise, de diálogo e respeito às orientações dos órgãos de saúde competentes, sejam eles internacionais, nacionais, estaduais e municipais, as recomendações do Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal e Ministério Público do Trabalho, como também o respeito da suspensão das atividades realizadas via Decreto Estadual e acatado pela Gestão Municipal e o retorno gradual das atividades em momento oportuno de resolução dessa crise. O Sindicato ainda defende a manutenção dos postos de trabalho, a garantia de todos os direitos, a defesa da saúde e da vida dos trabalhadores (as) e seus familiares.
José do Nascimento Coelho, Presidente.
Sindicato dos Comerciários de Campina Grande e Região
Campina Grande/PB, 27 de abril de 2020.’

Nenhum comentário

Faça seu comentário

Tecnologia do Blogger.